Tag Archives: Amizade

Momentos difíceis

23 ago

Certa vez li algo que me chamou atenção, a pessoa dizia que ao contrário do que se pensa é nos momentos alegres que descobrimos quem realmente é nosso amigo pois só os amigos verdadeiros resistem à nossa felicidade, pessoas para enxugar nossas lágrimas e “chutar o cachorro morto” sempre existem. Achei interessante e até concordei em partes, mas hoje reforço a idéia de que nos momentos de crise algumas pessoas se acovardam.

Em todos os momentos difíceis da minha vida me vi sozinha, perdi amigos e namorado quando estive em depressão,  enfrentei praticamente sozinha a quase separação quando o Dori adoeceu, só contei com a minha família (leia-se pai, mãe, marido e cunhada) quando perdemos nosso bebê, me decepcionei várias vezes com pessoas recorrentes em todas as vezes que precisei de ajuda, seja com câncer da minha mãe, nas vezes em que o Dori precisou me deixar sozinha com a locadora e em tantas outras que realmente precisei.

Neste fim de semana não foi diferente, acordei ontem cedinho com o telefone tocando e a notícia de que uma tia querida havia falecido, não foi nenhuma surpresa já que ela estava há dias internada e os médicos já tinham deixado a família informada sobre a situação, mas foi doloroso, difícil e inacreditável, embora a família da minha mãe seja numerosa e todos os irmãos estejam avançando na idade esta foi a primeira morte em quase 30 anos, depois da minha avó, que morreu pouco antes de eu completar um ano ninguém mais tinha nos deixado e o fantasma já não incomodava ninguém até chegar assim de sopetão e levar a irmã mais pitoresca de todas. Há alguns dias eu já ficava nervosa com telefonemas tarde da noite ou de manhã cedinho, e mesmo assim ontem  quando ele finalmente se confirmou fiquei angustiada e fui correndo ver minha mãezinha, sabia que seria difícil para ela e depois de tudo o que ela já passou e vem passando nos últimos tempos ia precisar de muita força.

Desde as 8h da manhã de ontem até o fim do dia e hoje até agora a pouco fiquei com a minha mãe, ela não me pediu ajuda ou companhia, não me pediu para cozinhar ou organizar nada para ela, não pediu que eu viesse embora com ela antes do enterro para que ela fosse poupada, não pediu que eu chorasse com ela ou fizesse piada para distraí-la, eu o fiz porque era meu papel, como filha, como pessoa, eu tinha que estar ali porque é o que as pessoas que amam fazem, apoiam e estão lá.  Minhas irmãs também estavam lá ontem, minha cunhada que nada tem a ver com a minha mãe fez questão de passar antes de seus compromissos e dar uma abraço, chorar junto com ela nem que fosse por 5 minutos, o Dori foi meu alicerce e meu amigo nesses 2 dias difíceis, mas como sempre houve dessa vez pessoas que não estiveram ao meu lado, ao lado da minha mãe ou da minha família, pessoas que sempre fazem parte dos momentos de discontração, das risadas e dos almoços da felicidade, pessoas que são figuras apenas de álbuns felizes mas que são ausências recorrentes nos momentos de crise, tudo bem cada um tem sua vida, suas prioridades e escolhas e o direito de se privar do que bem entende e com isso claro também planta atitudes que geram consequências para serem colhidas depois, não sou uma pessoa vingativa ou do tipo que só faz por quem faz para mim, ao contrário disso sou patidária do “fazer o bem sem olhar a quem”, mas acredito que tudo o que fazemos reflete em algum momento no que receberemos da vida.

Hoje em um domingo cinza, frio e triste, com os pés machucados sem nem poder calçar um sapato cozinhei novamente para minha mãe, me sentei na mesa com eles como em todos os domingos e tentei confortar mais um pouquinho minha amada mãezinha, aparentemente só eu tive essa idéia, só eu lembrei que a dor dela não foi embora com a noite e que ontem foi só o início de uma saudade que ainda vai doer muito até virar uma lembrança e com certeza estarei lá até que esse momento chegue…

Anúncios

Homem X Mulher, amigos?

29 maio

Sempre fui o tipo de meninas que me dava(no bom sentido claro) melhor com os meninos, sempre tive amigos com quem me sentia melhor do que com as meninas, talvez por não ter disputa, por não repararem na cor dos cabelos ou na marca da roupa, talvez por achar divertido vê-los falando de nós mulheres, não sei, o fato é que sempre tive afinidade com o clã masculino, coincidentemente o Dori (meu marido) tem uma facilidade enorme para fazer amigas, o que de certa forma nos aproximou na época da faculdade, o fato é que apesar de termos isso em comum sempre ouvi dele que homens na sua maioria não se aproximam de mulheres com a intenção de fazer amizade e a recíproca claro também é verdadeira, sempre ouvi muita bronca por ter apenas amigos na época, embora fossem também amigos dele, do tipo que frequentavam nossa casa, ele sempre achou que não era algo legal.

Eu particularmente acho que há casos e casos, sempre existem pessoas querendo se aproveitar de um momento de carência do amigo (a) para tirar uam casquinha, mas acho que isso também depende do quando você abre as portas para que aconteça.

A questão é, qual o limite para uma simples amizade entre homens e mulheres, qual o limite da intimidade, é possível termos esse tipo de relacionamento e isso não afetar um casamentos ou namoro?

Pergunto isso porque eu sou muito ciumenta e insegura, possessiva até, mas sei respeitar quando o Dori tem uma relação profissional ou mesmo de amizade com alguma mulher, da mesma forma fico furiosa quando acho que passa do ponto, mas qual seria esse ponto afinal? Será que eu exagero ou as coisas nem deveriam chegar a isso, homem (ou mulher) casado (a) não pode ter amigos do outro sexo em hipótese alguma? Definitivamente não sei.

Eu mudei muito depois de casar e em boa parte por inicitiva própria, as vezes até ouço que me fechei de mais pois nem com as amigas tenho conversado direito, mas sei lá, não acho que seria legal um amigo da época de solteira ligar aqui em casa para bater papo e o Dori atender, da mesma forma que não procuro hoje fazer novos amigos homens, inclusive no ambiente da internet não acho legal dar muita intimidade e muita liberdade para um amigo do sexo oposto, converso até com alguns homens que têm em comum o ramo de videolocadoras e apesar de nos considerarmos amigos nunca nenhum deles soube o que se passa dentro da minha casa, da minha vida, é uma questão de respeito, sempre penso que não faria algo com o outro que não gostasse que fizesse comigo e assim vou permeando meu comportamento de mulher-direita-casada, mas será que é egoísmo eperar o mesmo do parceiro em suas relações?

Não sou uma maníaca a lá Sílvia não, acho que temos que manter as relações pessoais, antigos e novos amigos, é saudável, volta e meia aparece alguma antiga amiga do Dori no orkut e eu nunca vou implicar com ele por ter vivido antes de me conhecer, da mesma forma que ele não o faz comigo, mas também acho que o meu marido não precisa saber o ciclo menstrual de outra mulher que não seja a dele, na verdade algumas intimidades eu não teria com amigo nenhum mesmo que fosse solteira, é uma questão de bom senso, de ser dar o respeito mesmo, mas cada um tem sua ética, seus parâmetros para o que considera exagero ou não e é aí que a coisa complica porque o que você pode achar super normal a esposa (marido) do seu amigo (a) pode achar um desfrute e é desses limites que estou falando, onde acaba a sua liberdade e começa a intimidade de um casal, é muito complicado avaliar o que é certo ou errado nessas situações, já vi por exemplo mulheres ficarem furiosas por eu cumprimentar seus maridos, da mesmo forma que outras não estão nem aí se o marido sai para jantar com a mais nova amiga, até o meu critério de não fazer com o outro o que não queria que ele fizesse é relativo porque de repente a pirigueti que é folgada com o marido alheio não está nem aí se o dela sair à caça.

Mas como disse várias vezes acima tudo se resume a respeito, se as pessoas se respeitarem tudo fica bem, sem estress, sem problemas, sem saia justa, porém o que mais falta hoje em dia entre as pessoas é respeito e humildade principalmente quando é preciso reconhecer os próprios erros, eu confesso que muitas vezes acabo agindo no egoísmo e querendo que as atenções só para mim, mas como disse, se houver respeito as coisas sempre se resolvem, mas quando este falta a coisa complica, se você não respeita o outro perde totalmente a moral diante dele, se você não se dá o respeito diante de alguém não tem o direito nenhum de exigí-lo mais tarde.

Vou dizer uma coisa, relacionamentos de qualquer forma são extremamente complicados, eu desisti de entendê-los, aliás desisti de entender a nós, seres-humanos, o bichinho estranho o tal do homem, mas infelizmente precisamos sempre tentar conviver da forma mais pacífica possível.

P.s.: Faz tempo que queria escrever um pouco sobre comportamento, estava deixando esse assunto e esse post para mais tarde mas estou com alguns planos meio mirabolantes e esse mais tarde poderia virar muito mais tarde, e aí ia acabar perdendo a inspiração, mas de qualquer forma quero entrar em outros temas meio contraditórios que se fazem os meus macaquinhos trabalharem dentro da cachola deve acontecer com mais alguém também, enfim, aguardem mais posts do estilo e novidades para frente!